31/05/2023

Lauro de Freitas Informa

Notícias de Lauro de Freitas

Hospitalizações por covid-19 crescem em cinco estados

Vacina, vacinação,seringa, covid 19

É o que revela boletim Infogripe, da Fiocruz

Os casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) – associados à covid-19 – mantiveram a tendência de alta já registrada nas últimas semanas no Amazonas e São Paulo e também apresentam tendência clara de aumento no Ceará e no Rio de Janeiro.

É o que revelam informações divulgadas ontem (10) no último Boletim Infogripe, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Os dados de 26 de fevereiro a 4 de março apontam, ainda, para sinais iniciais de aumento em Mato Grosso do Sul e no Pará.

O avanço da SRAG por covid-19 – que gera hospitalizações – está mais associado a casos na população adulta. O InfoGripe também registra crescimento de casos entre crianças e adolescentes, mas não há uma associação viral clara, segundo o coordenador do boletim, Marcelo Gomes.

“Na Bahia, em Mato Grosso do Sul, no Paraná, em Santa Catarina e, em menor escala, em São Paulo, existe aumento nos casos positivos para rinovírus nas crianças até 11 anos”, disse o pesquisador, em texto divulgado pela Agência Fiocruz de Notícias.

Vacinas

Ele destaca que o novo cenário de crescimento reforça a importância da campanha de vacinação iniciada no dia 27 de fevereiro pelo Ministério da Saúde, em que os grupos prioritários já podem receber as vacinas bivalentes contra covid-19, atualizadas para conferir maior proteção contra a variante Ômicron.

Ao todo, 18 unidades da federação apresentam tendência de crescimento nos casos de SRAG, porém, apenas nas destacadas pelo estudo o movimento já pode ser considerado realmente uma expansão. No Amazonas, além da covid-19, as hospitalizações por SRAG também estão associadas a casos de influenza A.

Apesar disso, o boletim informa, também, que em Alagoas, na Bahia, no Distrito Federal, no Espírito Santo, em Goiás, em Minas Gerais, em Mato Grosso do Sul, no Pará, no Paraná, no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina há um crescimento de casos de SRAG concentrado entre crianças e adolescentes que, até o momento, não se reflete na população adulta.

Agência Brasil

Deixe seu comentário
Compartilhe